Grupo de Crescimento – A jornada começa

Texto Bíblico: João 2:13-22

O evangelista João relata a subida de Jesus a Jerusalém, ao aproximar-se a Festa da Páscoa, e descreve como Ele se revolta com o que vê̂ em sua visita ao templo. A expressão usada no texto bíblico com o significado do “templo”, indica toda a área sobre o monte Moriá́, incluindo todas as dependências e contornos do templo.

As ofertas e pagamento dos animais para sacrifícios no Templo só podiam ser feitas com moeda hebraica (siclo hebreu), pois as demais moedas eram confeccionadas com a imagem de divindades pagãs ou do imperador romano, considerado como deus. Esse serviço de troca de moedas (cambio), e a venda de animais e produtos para o sacrifício, deveria ser realizado com honestidade e dignidade, sendo realizado no “grande átrio exterior dos gentios”, espaço reservado para essas atividades.

Na sua visita ao Templo, Jesus encontra os cambistas e vendedores de animais explorando os peregrinos que chegavam a Jerusalém, vindo de muito longe, com dinheiro gentio para ofertar e sacrificar no templo. A atitude de Jesus ao expulsar os cambistas, vendedores e animais, demonstra o quanto os judeus de Jerusalém haviam ofendido ao Senhor, sendo corrompidos pela ganância, dominados pelo pecado e desprovidos de amor sincero para com Deus e com seus irmãos vindos de todas as partes de Israel.

No Templo de Jerusalém, Jesus citou as Sagradas Escrituras, conforme o relato do Evangelista Marcos, ao dizer: “a minha casa será chamada casa de oração” (Is 56:7) “e vocês a transformaram em covil de salteadores” (Jr 7:17). Conforme comentaristas bíblicos, sacerdotes que lideravam a corrupção institucionalizada no Templo, ao receber animais para o holocausto, em vez de efetuarem o sacrifício, matavam apenas alguns deles, e repassavam todos os demais para comerciantes fraudulentos, que tornavam a vendê-los sucessivas vezes. Infelizmente, ainda hoje, temos testemunhado a exploração da fé presente em Templos Cristãos.

Nós somos o que o Templo de Jerusalém representava. Somos habitação do Espírito de Deus. Somos sua casa. Nós somos o templo onde Ele deseja ser encontrado. Somos a Igreja de Cristo. Infelizmente, ainda hoje, continuamos vendo a transformação do que deveria ser casa de oração (lugar de comunhão com Deus e com os irmãos, casa de socorro, de misericórdia, de cura e de graça) em casa de negócios e salteadores, disfarçados de religiosos, comercializando desonestamente a fé. Também, temos visto falsos fiéis buscando a Deus, não por amor e gratidão, mas por interesse; não para louvá- lo e adorá-lo, mas para negociar com ele bênçãos e benesses. Jesus tem encontrado em nós corações perversos, mentes pervertidas pelo pecado, corpos corrompidos pela impureza e assim deseja purificar o seu templo como o fez em Jerusalém. Esta é uma oportunidade de sermos limpos e transformados para refletirmos a glória do Senhor, para que Cristo seja visto em nós, aonde estivermos.

REFLEXÃO

Que tipo de exploração e comercialização da fé́ tenho testemunhado hoje na Igreja Cristá?

Como me vejo sendo o verdadeiro templo de Deus?

Tenho desejado a minha purificação como templo do Espírito de Deus? Em quais áreas?